Warning: include_once(/home/storage/4/3f/f7/conselhosparameninas/public_html/wp-content/plugins/wp-super-cache/wp-cache-phase1.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/storage/4/3f/f7/conselhosparameninas/public_html/wp-content/advanced-cache.php on line 20

Warning: include_once(): Failed opening '/home/storage/4/3f/f7/conselhosparameninas/public_html/wp-content/plugins/wp-super-cache/wp-cache-phase1.php' for inclusion (include_path='.:/usr/share/pear') in /home/storage/4/3f/f7/conselhosparameninas/public_html/wp-content/advanced-cache.php on line 20
UM MISTÉRIO ESCONDIDO – Conselhos para Meninas

“Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: “Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. Quando o rei Herodes ouviu isso, ficou perturbado, e com ele toda a Jerusalém. Tendo reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam: “Em Belém da Judéia; pois assim escreveu o profeta: ‘Mas tu, Belém, da terra de Judá, de forma alguma és a menor entre as principais cidades de Judá; pois de ti virá o líder que, como pastor, conduzirá Israel, o meu povo’ “. Então Herodes chamou os magos secretamente e informou-se com eles a respeito do tempo exato em que a estrela tinha aparecido. Enviou-os a Belém e disse: “Vão informar-se com exatidão sobre o menino. Logo que o encontrarem, avisem-me, para que eu também vá adorá-lo”. Depois de ouvirem o rei, eles seguiram o seu caminho, e a estrela que tinham visto no Oriente foi adiante deles, até que finalmente parou sobre o lugar onde estava o menino. Quando tornaram a ver a estrela, encheram-se de júbilo. Ao entrarem na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram. Então abriram os seus tesouros e lhe deram presentes: ouro, incenso e mirra. E, tendo sido advertidos em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram a sua terra por outro caminho.” (Mateus 2:1-12)

Seu nascimento foi o segredo mais bem guardado de Deus, sussurrado entre as estrelas. Apenas um punhado de pessoas apurou seus ouvidos para escutar. E eles eram da Pérsia, não da Palestina. Eles eram gentios, incircuncisos e sem as promessas de Deus. Estranho que a revelação do Messias judeu foi ouvida apenas por estrangeiros. De todas as pessoas, foram astrólogos. Estranho que ele não foi saudado por sacerdotes ou rabinos ou membros do Sinédrio. Muito estranho que o mensageiro não era um profeta, mas, de todas as coisas, uma estrela. Não um cometa ou uma chuva de meteoros, mas uma estrela simples, pendurada discretamente na noite entre milhões de outras. Não poderia ter sido tão espetacular como alguns tinham sugerido, pois se fosse, milhões de pessoas teriam ido vê-lo, perguntariam sobre ele, especulando sobre o que isso significava. Não, não poderia ter sido espetacular.

Eles viajaram à noite, quando a estrela era mais visível, suas longas sombras atrás da caravana. Eles viajavam em busca de um rei, sem saber o que iria acontecer com eles no caminho ou como suas vidas seriam mudadas depois.

Maria, por sua vez, com o jovem rei entronizado em seus braços, revivia os acontecimentos do dia. A viagem de oito quilômetros. A consagração de seu primogênito no templo. As palavras de Simeão quando ele tomou Jesus em seus braços: “Porque os meus olhos viram a Tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória de vosso povo, Israel.”(Lc 2:30-32) Mas Simeão falou outras palavras naquele dia. Escuras, palavras de pressentimento que se reuniram no horizonte da vida de Jesus como as nuvens de uma tempestade distante. “Este menino está destinado a causar a queda e soerguimento de muitos em Israel e para ser sinal de contradição, de modo que o pensamento de muitos corações será revelado. Quanto a você, uma espada trespassará a tua alma também” (Lc 2:34-35). Ela ponderava aquelas palavras enquanto embalava seu bebê em seus braços, olhando em seus olhos castanhos escuros. “Como uma criança tão calma causará tanto rebuliço?”, ela sussurra para ele, sorrindo. O bebê pára de se contorcer e sorri de volta.

O calor de seu leite se espalha nele como um cobertor, e seus olhos se cansam. Mesmo enquanto ele dorme, a boca continua trabalhando para desenhar a vida dela, agarrando-se a ela, mas tão suavemente, tão ternamente, tão docemente. “Quem poderia falar contra uma criança?” Ela pensa enquanto olha para ele. “Quem poderia tropeçar em tal inocência?”.

Maria estuda seu rosto, seu coração ainda se alegra no seu caminho através da maravilha de tudo isso. A promessa de Deus encarnada em uma criança. A esperança do mundo confiada a uma criança. Foi tudo envolto em tão grande mistério. Ela pergunta: “Que segredo Deus está guardando com esta criança?”.

No momento em que os sábios alcançam os arredores de Jerusalém, a estrela se derrete no céu da manhã. Certamente a cidade santa seria movimentada com acontecimentos após a chegada de seu rei. Lojas seriam fechadas. Pessoas estariam comemorando. Ofertas de gratidão estariam transbordando no templo.

Mas, dentro dos portões da cidade, é apenas mais um dia em Jerusalém. Lojistas estão cuidando de suas lojas. As mulheres estão escolhendo mais produtos. Sacerdotes estão atendendo aos rigores diários da religião. A única coisa que cria uma pausa na rotina da manhã é a presença desses estrangeiros. “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus?” Cabeças se viram ao som de sua linguagem ao ouvirem um carregado sotaque persa. A multidão olha para eles com curiosidade. Um homem de aspecto severo dá um passo à frente. “Cuidado em falar assim por aqui.” O homem sábio olha para o rabino apreensivo. “Nós vimos a Sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. Mas o rabino o repreende. “Deus fala através das Escrituras, não através de estrelas. Sua conversa é blasfêmia, um murmúrio de feiticeiros e astrólogos”.

Antes do meio-dia, a notícia atinge o palácio imperial. Cada passo da ascensão de Herodes ao trono foi manchado com o sangue de seus rivais. Quando ele ouve rumores de outro ainda, ele faz tudo o que pode para mascarar sua paranóia. Mas mesmo com sua máscara, ele se inquieta. E toda Jerusalém com ele. Ao longo dos anos, o relacionamento dos judeus com o rei tem sido muito tênue. Mas ao longo dos anos, eles o cultivavam. Como resultado, Herodes lhes deu o templo. Em troca, deram-lhe sua fidelidade. Era uma relação conveniente entre Sinagoga e Estado. Era um relacionamento que eles precisavam. E uma relação que não queriam perturbar. É por isso que as palavras dos sábios os deixaram inquietos. Herodes reúne os principais sacerdotes e escribas juntos. “Quando o Messias vier, onde vai ser? Quero dizer, em que cidade?”. “Bélem”, todos os religiosos respondem. “Belém”, ele pensa consigo mesmo. “Cidade de Davi. Rei Davi. Eu preciso ser rápido em abafar esse boato, para que uma faísca não transforme a resistência em rebelião”. Herodes faz perguntas aos sábios, cuidadoso o suficiente para não despertar a suspeita, mas esperto o suficiente para manipulá-los em suas mãos. Ele encoraja-os em sua busca, e envia-os em seu caminho.

Ao cair da noite, a estrela se levanta, e com ela as suas esperanças. Mais uma vez o mensageiro misterioso vai adiante deles, desta vez levando-os para o sul. Ele pára na pacata aldeia de Belém, e repousa sobre uma pequena casa. As vozes dos homens sábios apressam-se como eles e entram nas imediações humildes que formam uma catedral para seu culto. Eles cumprimentam ao redor do menino, murmurando seu louvor enquanto tremem de alegria. Com o mais humilde dos gestos e a menor das palavras, eles oferecem os seus presentes.

Os sábios passam a noite em Belém, conversando entre si, tentando entender tudo isso. “Herodes em seu palácio…e o herdeiro do trono afastado no canto de um estábulo de animais? De todos os lugares, Belém. Por que aqui? E por que nós os únicos que vieram? Que segredo Deus está guardando com esta criança?”

(Adaptação do livro “Moments with the Savior”, de Ken Gire)

Este é mesmo um mistério! Anos e anos estudando os escritos da Torá e dos Profetas, e os religiosos do tempo de Jesus jamais poderiam imaginar que seria assim que o Salvador viria. Mas estava tudo lá escrito, séculos antes de acontecer.

Foi a respeito dessa salvação que os profetas que falaram da graça destinada a vocês investigaram e examinaram, […] quando falaram das coisas que agora lhes foram anunciadas por meio daqueles que lhes pregaram o evangelho pelo Espírito Santo enviado do céu; coisas que até os anjos anseiam observar.” (1 Pedro 1:10-12)

Isso mesmo, nem os anjos sabiam! Ninguém poderia imaginar que Deus se faria homem e morreria em nosso lugar para que pudesse nos salvar. Mas foi o que Ele fez. E como falamos na semana passada, foi loucura! Mas veja o que Paulo fala sobre essa loucura:

Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus. Pois está escrito: “Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes”. Onde está o sábio? Onde está o erudito? Onde está o questionador desta era? Acaso não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação.” (1 Coríntios 1:18-21)

Sim, vão nos chamar de loucas! Vão nos ridicularizar, questionar nossa fé, argumentar com filosofias e sofismas. Vão nos humilhar. Mas lembre-se: “agradou a Deus salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação”!

Que o Natal seja um tempo para você celebrar esse “louco amor” e compartilhar da “loucura” da salvação!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0